PSL não será coadjuvante em 2022

Em entrevista ao Jornal O Globo, o presidente do PSL, Luciano Bivar, afirmou que o partido não será coadjuvante em 2022. Segundo ele, a intenção é ter uma candidatura própria, desde que o nome esteja alinhado com os ideais liberais do partido.

Citou, como nomes a serem analisados, o apresentador Luciano Huck, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite e o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Se eles se adequarem aos preceitos liberais do partido.

Luciano Bivar sinalizou que será difícil o presidente Jair Bolsonaro retornar à legenda para buscar a reeleição. Ele afirma que o partido “nunca foi de direita”, e vê dificuldades de compatibilizar esses objetivos com os de Bolsonaro.
— E eu não acredito que o presidente saia da sua linha.
Bivar criticou ainda o “extremismo” e garantiu que não é possível expulsar quadros sem nenhuma justificativa plausível. Uma das condições de Bolsonaro para o retorno era a saída de desafetos.
— Nunca podemos dizer assim: “Você está fora do partido por uma exigência desse e daquele candidato”. Não faz sentido. Sai do partido se quiser.
Bivar criticou ainda a condução do governo federal durante a pandemia. Entende que Bolsonaro errou e que está demonstrado na “quantidade de mortes”.

Leia a entrevista completa em https://oglobo.globo.com/brasil/bivar-resiste-retorno-de-bolsonaro-ao-psl-nao-acredito-que-presidente-saia-da-sua-linha-24978344

Compartilhe