Deputado do PSL defende piso mínimo para categoria de Enfermagem

Nesta quarta-feira, 12 de maio, é celebrado o dia Mundial da Enfermagem. O profissional desta categoria tem como missão auxiliar os médicos e cuidar dos pacientes. Eles são essenciais no dia a dia e ganharam ainda mais importância neste período de pandemia.

Segundo o Conselho Federal de Enfermagem, no país, existem cerca de 2,5 milhões de profissionais da área, entre auxiliares, técnicos, enfermeiros e obstetrizes (parteiras). Uma das principais queixas da categoria é a necessidade de fixação de um piso salarial.

Um dos projetos em tramitação no Congresso para tentar estabelecer um piso mínimo para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliar de enfermagem e parteiras é de autoria do deputado Julian Lemos (PSL-PB).

Para o deputado, esses profissionais formam, em números, o grupo mais expressivo da área da Saúde no país, e neste momento tão difícil para o setor, merecem todo o respeito e valorização.

“Estas categorias são compostas por heróis e heroínas, que enfrentam da forma mais exposta que se imagina um perigo como o vírus da Covid-19, diuturnamente, cara a cara, numa luta de vida ou morte, em benefício de todos os outros seres humanos”, destacou o parlamentar.

O projeto, contudo, foi anexado à outra proposta legislativa e, por enquanto, não há previsão de análise entre os deputados. Por isso, Julien lançou uma campanha de apoio popular pela aprovação do PL 2564/2020, que tramita no Senado e está prestes a ser votado.

O PL 2.564/2020, de autoria do senador Fabiano Contarato (Rede-ES) institui um piso de R$ 7.315 para enfermeiros. As demais categorias terão o piso proporcional a esse valor: 70% (R$ 5.120) para os técnicos de enfermagem e de 50% (R$3.657) para os auxiliares de enfermagem e as parteiras.

Compartilhe